Clientes Leve

Ninguém melhor que nossos clientes para falar sobre como o trabalho da Leve impactou as suas vidas.

|
“O processo de Coaching está me ajudando a ter clareza para manter o foco no meu objetivo. O processo da Leve faz a gente perceber que não precisamos ser super heróis para atingirmos nossos objetivos e sonhos. Em primeiro lugar, nos leva a procurar o autoconhecimento, que é a base para irmos em busca do que queremos, usando as ferramentas disponíveis do Coaching com Leveza, que é tudo o que eu precisava.”
Renata Albuquerque, Comissária de Bordo.
De Pernambuco. Vive em Pernambuco.
|
“O processo de organização da minha casa teve um impacto muito forte, talvez porque
naquele momento eu também buscava me organizar internamente. Mexeu muito com tudo na
minha casa, de forma prática e de forma interior e espiritual mesmo… Para se ter uma ideia de
como tudo fica mais prático, cheguei aqui em casa, depois de 40 dias fora, e não me estressei
para colocar tudo em ordem, é muito mais prático e muito mais rápido, porque cada coisa
agora tem o seu lugar. Outra tarefa que pode ser chata, mas deixou de ser um peso: arrumar a
papelada. Acabei de arquivar os documentos do ano passado e não gastei nem uma hora.
Eu acho muito pessoal esse processo da organização. É alguém entrando na sua vida, na sua
intimidade. Então a Carmem veio com o conhecimento, com toda sua prática, com toda
informação e com todo cuidado e paciência, junto comigo, trilhando esse caminho , realmente
feito a quatro mãos. Eu aprendi a me organizar! Não consigo mais ver uma coisa se
desorganizando e não fazer nada. Na mesma hora eu já sento, paro, vejo o que eu tenho que
tirar se não está cabendo, o que está acontecendo que não está ficando do jeito que estava.
Rapidinho volta para o eixo. Eu preciso disso.
Depois que a sua casa é organizada, você começa a prestar atenção no acumulo de coisas. Das
coisas que você realmente precisa para viver e descobre que você precisa de muito pouco. Pra
mim o resultado do trabalho foi organização e equilíbrio emocional. Eu fiquei muito mais
equilibrada, muito mais Leve, muito mais dinâmica, eu não tenho preguiça de mexer na casa,
de organizar as coisas…Cada vez que eu vejo isso, eu vejo o tanto que a gente foi feliz nesse
trabalho aqui em casa. Foi muito impactante. Sou uma pessoa muito mais calma hoje, muito
mais paciente, muito mais tranquila depois de ter conseguido organizar minha casa, minha
cabeça, conseguido ter esse avanço.”
Cibele Dias, Artista Plástica.
De Minas Gerais. Vive em Pernambuco.
|
“Foi (e ainda está sendo) fundamental poder contar com um serviço profissional que nos proporciona foco e atenção com leveza. Uma mudança de país e, portanto, de cultura, costumes, leis, regras e tantas outras coisas exige da gente muita atenção, trabalho, organização e concentração.  E quando se tem filhos, os cuidados e necessidades redobram. Ter uma pessoa atenta às minhas necessidades me fez sentir que podia dividir a minha carga com alguém, melhor se esse alguém  tem um olhar técnico/profissional e, acima de tudo, pessoal e empático.
Chegar ao país de destino e ter que começar uma casa do zero foi trabalhoso. Por isso, abrir o computador e ter  uma lista da primeira compra de supermercado pronta e você não ter que pensar nesse detalhe, pode parecer pouco, mas para quem já estava há meses planejando, pensando, programando, cumprindo prazos e ticando check lists, isso foi para mim como encontrar uma garrafa de água gelada no deserto.
Agradecemos com muito carinho a Carmem por nos apoiar com tanta leveza nesse processo.”

Vivan Guimarães, Psicóloga.
De São Paulo. Vive no México.
|
“Começamos o trabalho de organizar minha última mudança ainda em Recife. Logo que mudei para São Paulo, não tinha coragem nem de começar a abrir as caixas. Não foi o meu destino preferido, pra mim não estava na hora certa. Posso ressaltar o ânimo e o empurrão, as metas diárias, os desafio de, passo a passo, reconstruir minha casa, arrumar as gavetas, criar espaços organizados. A Carmem e a LEVE me inspiraram a enxergar a mudança sobre uma nova ótica, a encontrar no desafio o impulso para a superação. Estava muito desanimada quando mudei e com o serviço de Organização de Espaços consegui encontrar o essencial para me reconstruir. Saí de um ap enorme a beira mar para um ap menor em uma rua que era um verdadeiro canteiro de obras na Granja Julieta. Tive que fazer minha vida caber aqui dentro, em uma casa que não era minha cara, mas tinha que virar, por mim e pelas crianças. Começamos pelo básico, descartar o que não servia, desapegar, ser mais minimalista (será que um dia eu consigo?). Com a casa organizada, começamos o processo de Coaching. Agora o que era sonho se transformou em objetivo, que, com as ferramentas adequadas, tenho condições de atingir. Eu aprendi a enxergar e a respeitar meu brilho no olho quando falo do que gosto. Aprendi a identificar e a superar crenças limitantes. Me livrar de rótulos tem sido LIBERTADOR!
Montamos uma rotina (eu odeio regras e rotina). Sou jornalista, adoro moda, sou livre! Mas encontramos um jeito LEVE de montar a minha, a da minha família, eu e as crianças montamos juntas, escrevemos as tarefas que precisávamos dar conta de uma maneira mais light e que funcionasse para a nossa família. A Carmem conduziu este processo me dando autonomia e esta não imposição foi a melhor coisa para que a tarefa acontecesse e saísse do papel. Me livrei do excesso de celular, a LEVE me mostrou que devemos consumir conteúdo que agregue ao nosso objetivo final. Terminei meu MBA, fiz meu TCC, tirei 9.5 em matemática financeira. Teve meta, provocação, foco. Teve questionamento, tive que encontrar coragem para lidar com meus medos. Um monte de post it para encontrar inspiração, pra não perder o foco. E agora, o Ano chega, novo, e eu já estou me organizando para seguir meus planos. Me doei muito! Com o coração cheio de alegria e um gosto de missão cumprida, posso dar meu próximo passo mais Leve, pensando agora na minha carreira, sonhando sim, mas planejando e fazendo acontecer!
Mudar de endereço é mais do que fechar e abrir caixas. É guardar lembranças, embalar sentimentos, abrir esperanças, lidar com frustrações, reunir coragem e começar de novo. Mudar não é para os fracos! Depois de viver em sete cidades, você descobre que não basta encontrar uma nova pediatra, um lugar para comprar pão, uma nova escola, estas coisas que estavam tão certas na rotina que quando nos deparamos com ter que fazer tudo de novo… vem o desânimo, o medo, a negação, a incerteza. E são estes sentimentos a que me refiro quando digo que não basta dar um jeito nas coisas práticas, se os sentimentos não estiverem em ordem. Mudar é se reconectar em outro lugar. Encontrar um modo de se encaixar naquela cidade e descobrir o que fará ela virar sua. E isso não é uma tarefa fácil. Nasci em Curitiba, morei em São José dos Campos, depois no Rio de Janeiro, voltei para Curitiba, fui para Recife e estou em São Paulo. Tudo no mesmo país, mas tudo tão diferente… Curitiba é minha casa, São José é pequena, Rio é mara depois de um tempo, Recife é cultura e encanto, São Paulo ainda é cinza. Vai virar cor, mas ainda não é.
Faz quase um ano que cheguei na megalópole, cosmopolita e sufocante. Foi um choque largar a tapioca da feirinha de Boa Viagem pra viver esta vida loka! Tudo é muito em Sampa. A cidade em que a vida passa depressa, as crianças crescem rápido demais, mais do que deveriam. Tem uns cantos que já gosto, um monte de coisa que já resolvi e  uma vida profissional pra recomeçar. Cidade perfeita para acontecer profissionalmente, mas deveria ter mais maracatu, mais árvores, uma praia e mais Sol. Enxergar tudo isso com mais gratidão, numa época em que estamos vivendo uma crise tremenda no Brasil, requer foco e equilíbrio e assim estar pronta para descobrir coisas que te colocam no rumo, no prumo, num novo caminho. Quando você muda tem que reinventar sua vida. É um momento sensível, e, toda ajuda é bem vinda.
Obrigada LEVE por abrir meu caminho e me fazer entender que podemos construir uma nova forma de fazer as coisas se quebrarmos rótulos que se tornam amarras e se reconectarmos nossa essência ao nosso novo lugar, mas de uma nova maneira!”

Caroline Lorusso, Jornalista.
Do Paraná. Vive em São Paulo.